In an effort to support the goals of the 2015 Paris Climate Accord, the Port of Amsterdam has a plan to be one of the “top European ports of sustainability” by 2030. This is the third in a series of recent moves toward that goal.

On August 1, the port increased the discount they offer to ships burning liquefied natural gas (LNG) instead of fossil fuels like gasoline and diesel, calling LNG a “vital transitional fuel.”

The port already offers a discount on port dues to ships with a favorable Environmental Ship Index (ESI) score. The ESI is an aggregate score for individual vessels based on various types of emissions and number of engines.

The new rule offers an additional discount if ships with an ESI score of 20 or more also burn LNG. In addition, the port announced a scheme to convert unrecyclable plastic into diesel fuel last month.

Amsterdam is not the first port to invest in solar energy — Jurong Port in Singapore also contains a large-scale solar installation and a similar effort is underway in Ghent, Belgium.

Source: Supply Chain Dive

Porto de Amsterdã adiciona painéis solares em ação de sustentabilidade

Em um esforço para alcançar as metas do Acordo Climático de Paris 2015, o Porto de Amsterdã tem um plano para ser um dos principais portos europeus em questão de sustentabilidade até 2030. Esta é a terceira de uma série de iniciativas recentes voltadas a esse objetivo.

Em 1º de agosto, o porto aumentou o desconto que oferecem aos navios que queimam gás natural liquefeito (GNL) em vez de combustíveis fósseis, como gasolina e diesel, chamando o GNL de “combustível de transição vital”.

O porto já oferece um desconto nas taxas portuárias para navios com uma pontuação favorável no Environmental Ship Index (ESI). O ESI é uma pontuação agregada para embarcações individuais com base em vários tipos de emissões e número de motores.

A nova regra oferece um desconto adicional se os navios com uma pontuação ESI de 20 ou mais também queimarem GNL. Além disso, o porto anunciou um esquema para converter plástico não reciclável em combustível diesel no mês passado.

Amsterdã não é o primeiro porto a investir em energia solar – o porto de Jurong, em Cingapura, também contém uma instalação solar em larga escala e um esforço semelhante está sendo realizado em Ghent, na Bélgica.

Fonte: Supply Chain Dive