Holland’s cybersecurity growth will be in the world spotlight at Cyber Security Week, Oct. 2-5, 2018 in The Hague

Long recognized as the digital gateway to Europe, The Netherlands has emerged as a hotbed for cybersecurity. There are now more than 400 cybersecurity companies in The Hague, the Netherlands, alone – the location of the third-annual Cyber Security Week. The conference, taking place Oct. 2-5, will bring together industry leaders from 70 countries to discuss emerging trends and innovations in cybersecurity.

The Hague’s dense cybersecurity sector makes it the ideal location for Cyber Security Week. It is home to The Hague Security Delta, the world’s leading security cluster, which fosters collaboration between businesses, governments and knowledge institutions. As further testament to The Hague’s cybersecurity expertise, the EU European Cybercrime Centre, the European Network for Cyber Security, the NATO Cyber Security Agency, and the Cyber Security Academy are all located in the region.

Holland, well-known as the digital gateway to Europe, is continuing to emerge as an international cybersecurity hub,” said Eric van Pelt, senior project manager and IT sector specialist at the Netherlands Foreign Investment Agency (NFIA). “Collaborative efforts of multinationals, research institutes and the Dutch government continue to support innovation. Cyber-related companies are realizing that the Netherlands’ robust renewable energy cluster provides sustainable and affordable options for data center energy, while the country’s 100% digital telecommunications network powers new technologies.”

To meet the demands of Holland’s cybersecurity sector, the Netherlands offers technology companies specialized pockets around the country. For example, Amsterdam is home to AMS-IX, the world’s leading internet exchange. Eindhoven is home to the “smartest square kilometer” in the Netherlands and specialties such as sensors and big data. Enschede boasts expertise in devices such as chips, robotics and drones, and has the largest IT research institute of the Netherlands at the University of Twente.

Today, a diverse network of 66,600 IT companies – 6,100 of which are security-related – along with a robust startup ecosystem and R&D facilities make up Holland’s tech and cybersecurity community. The industry encompasses a multidisciplinary combination of existing and new technologies, behavioral influence, big data, human competencies, technology, software, and hardware. The Netherlands is considered the most connected country in Europe with the continent’s fastest connection speeds. Holland offers a positive business climate and a highly-skilled talent pipeline to companies joining the Dutch digital ecosystem.

Source: NFIA

Holanda surge como líder global em cibersegurança

O crescimento da cibersegurança na Holanda será destaque mundial na Cyber Security Week, que ocorrerá de 2 a 5 de outubro de 2018, em Haia

Há muito reconhecida como a principal porta de entrada digital para a Europa, a Holanda tem se tornado cada vez mais um ambiente propício para a segurança cibernética. Existem mais de 400 empresas de segurança cibernética somente em Haia, na Holanda – local onde será organizada a terceira Cyber Security Week. A conferência, que acontece de 2 a 5 de outubro, reunirá líderes do setor de 70 países para discutir as tendências e inovações em segurança cibernética.

O robusto setor de cibersegurança de Haia torna a cidade o local ideal para a semana de segurança cibernética. É lá que se localiza o Hague Security Delta, o maior cluster de segurança do mundo, que promove a colaboração entre empresas, governos e instituições de conhecimento. Como testemunho adicional da perícia em cibersegurança da cidade, o Centro Europeu de Cibercrime da UE, a Rede Europeia para a Segurança Cibernética, a Agência de Segurança Cibernética da OTAN e a Academia de Cibersegurança estão todos localizados na região.

“A Holland, conhecida como a porta digital para a Europa, continua a emergir como um centro internacional de segurança cibernética”, disse Eric van Pelt, gerente sênior de projetos e especialista do setor de TI da Agência de Investimentos Estrangeiros da Holanda (NFIA). “Esforços colaborativos de multinacionais, institutos de pesquisa e governo holandês continuam apoiando a inovação. As empresas cibernéticas estão percebendo que o robusto cluster de energia renovável da Holanda oferece opções sustentáveis e acessíveis para energia de data centers, enquanto as rede de telecomunicações 100% digitais do país suportam o desenvolvimento de novas tecnologias.”

Para atender as demandas do setor de segurança cibernética da Holanda, o país oferece às empresas de tecnologia bolsas especializadas em todo o país. Por exemplo, Amsterdã é a sede da AMS-IX, a principal rede de intercâmbio de internet do mundo. Eindhoven abriga o “quilômetro quadrado mais inteligente” da Holanda e especialidades como sensores e big data. Enschede possui experiência em dispositivos como chips, robótica e drones, e possui o maior instituto de pesquisa de TI da Holanda na Universidade de Twente.

Hoje, uma rede diversificada de 66.600 empresas de TI – das quais 6.100 são relacionadas à segurança -, juntamente com um ecossistema robusto de startups e instalações de pesquisa e desenvolvimento compõem a comunidade de tecnologia e segurança cibernética da Holanda. A indústria engloba uma combinação multidisciplinar de tecnologias existentes e novas, influência comportamental, big data, competências humanas, tecnologia, software e hardware. A Holanda é considerada o país mais conectado da Europa, com as velocidades de conexão mais rápidas do continente. A Holanda oferece um clima de negócios positivo e um fluxo de talentos altamente qualificado para empresas que aderem ao ecossistema digital holandês.

Fonte: NFIA