How do we ensure mobility in our cities of today and the future? This question is key for the smart mobility projects of Rijkswaterstaat, the Dutch agency for Public Works and Water Management. Ronald Adams, Project Manager Smart Mobility at Rijkswaterstaat, recently visited China to explore possibilities for cooperation. In the Netherlands, he is in charge of the successful ‘Amsterdam Practical Trial’, where theory on smart mobility is translated into the real world: “The way we drive cars is changing quickly, with innovations ranging from self-driving cars to smart navigation apps. By responding to these developments in time, we can ensure our cities remain livable.”

The ring roads around the Dutch capital Amsterdam are well known for their traffic jams during rush hour. As such, the Smart Mobility project of Rijkswaterstaat called ‘Amsterdam Practical Trial’, launched over ten years ago, focused on one goal: improving the traffic flow on the Amsterdam ring roads. The project started with research papers, theories and policy notes, aiming to put these into practice. Ronald: “We work towards a future where cars, traffic lights and information signs are perfectly aligned. We work towards this by putting research into practice, by partnering up with both scientific institutes and the private sector.”

People often choose the standard routes when they go from home to work. But if everyone does this, traffic jams are inevitable. “This is why we started to work on a theory by the University of Delft, which said that the traffic flow can be reduced by setting up ramp metering systems at the ring road access points. By optimizing the time it takes to send data from the traffic measurement system to these ramp metering systems, we’ve been able to ensure optimum traffic flow.”

However, Ronald is convinced that realizing Smart Mobility is not something which the public sector can achieve by themselves. “The cooperation between the public and private sector is essential. Let me explain this: A car accident happened on the way on the south side of the city. Through out-car technology we can quickly register the incident and display warnings on roadside banners or change dosage at traffic lights. This is something Rijkswaterstaat can do. At the same time, though private sector cooperation, we can access in-car technology so people receive warnings on their smartphone apps & navigation system or their social media to avoid the roads. This can really make a difference during big events.”

This private-public cooperation is what makes Amsterdam Practical Trial very special. “Though we started involving private parties by offering financial incentives, we are now seeing that this project is relevant enough for private parties to put time and effort into it without any direct financial gains. We are offering them a platform for innovation.” Ronald visited China to explore the opportunities for international cooperation when it comes to smart mobility solutions. “We have optimized our theories and solutions and are clearly seeing the results in the Netherlands. We’re now looking where we can share our experiences. Again we really focus on the public private cooperation. After all, the innovative technology of Dutch businesses involved is essential to realize such projects abroad. A consortium of our partners has already won a large tender in Copenhagen. But we’re also offering advice on linking the public, private and education sector,” says Ronald.

Though the project is relevant for many countries, the ambition to cooperate with China comes as no surprise, Ronald explains. “We already have a Memorandum of Understanding with China when it comes to infrastructure and water management. Also, there is a lot of exchange between Universities. It’s great to meet partners here in China who studied at our Dutch partner the University of Delft before. Of course, the next step is to also bring in the private sector and see how we can adjust Dutch innovations for the Chinese system.”

About Amsterdam Practical Trial

The Amsterdam Practical Trial tests new and improved services that integrate innovative systems on roads and in cars for road users. The objective is to improve traffic flow, make traffic safer and help make cities cleaner. For more information visit www.praktijkproefamsterdam.nl/en.

Source: Government of the Netherlands

Mobilidade inteligente de Amsterdã ganha o mundo

Como podemos garantir a mobilidade em nossas cidades atuais e do futuro? Esta questão é fundamental para os projetos de mobilidade inteligente da Rijkswaterstaat, a agência holandesa para obras públicas e gestão de água. Ronald Adams, Gerente de Projetos de Mobilidade Inteligente da Rijkswaterstaat, visitou recentemente a China para explorar possibilidades de cooperação. Na Holanda, ele é responsável pelo bem sucedido ‘Amsterdam Practical Trial’, onde a teoria sobre mobilidade inteligente é traduzida para o mundo real: “A maneira como dirigimos está mudando rapidamente, com inovações que vão desde carros autônomos até aplicativos navegação inteligente. Responder a esses desenvolvimentos em tempo hábil faz com que possamos garantir a qualidade de vida de nossas cidades”.

As estradas ao redor da capital holandesa, Amsterdã, são bem conhecidas por seus engarrafamentos durante a hora do rush. Dessa forma, o projeto Smart Mobility do Rijkswaterstaat chamado “Amsterdam Practical Trial”, lançado há mais de dez anos, possui num objetivo: melhorar o fluxo de tráfego nas circulares de Amsterdã. O projeto começou com trabalhos de pesquisa, desenvolvendo teorias e políticas com o objetivo de colocar a ideia em prática. Ronald: “Trabalhamos para um futuro onde carros, semáforos e sinais de informação estejam perfeitamente alinhados. Trabalhamos para isso colocando a pesquisa em prática, estabelecendo parcerias com institutos científicos e com o setor privado”.

As pessoas geralmente escolhem as rotas padrões quando vão de casa para o trabalho. Mas se todos fizerem isso, os engarrafamentos são inevitáveis. “É por isso que começamos a trabalhar em uma teoria da Universidade de Delft, segundo a qual o fluxo de tráfego pode ser reduzido com a instalação de sistemas de medição nos pontos de acesso da via circular. Ao otimizar o tempo que leva para o envio de dados do sistema de medição de tráfego para esses sistemas de medição de acesso, conseguimos garantir um fluxo de tráfego ideal”.

No entanto, Ronald está convencido de que colocar a Mobilidade Inteligente em prática não é algo que o setor público possa alcançar sozinho. “A cooperação entre o setor público e privado é essencial. Deixe-me explicar isso: um acidente de carro aconteceu no caminho no lado sul da cidade. Através da tecnologia out-car, podemos registrar rapidamente o incidente e exibir avisos nos banners de beira de estrada ou alterar a frequência dos semáforos. Isso é algo que o Rijkswaterstaat pode fazer. Ao mesmo tempo, através da cooperação do setor privado, podemos acessar a tecnologia no carro para que as pessoas recebam avisos em seus aplicativos e sistemas de navegação para smartphones ou em suas mídias sociais para evitar as estradas. Isso pode realmente fazer a diferença durante grandes incidentes.”

Esta cooperação público-privada é o que torna o teste prático de Amsterdã muito especial. “Embora tenhamos começado a envolver entidades privadas oferecendo incentivos financeiros, agora estamos vendo que esse projeto é relevante o suficiente para que as partes privadas dediquem tempo e esforço sem ganhos financeiros diretos. Estamos oferecendo a eles uma plataforma para inovação. ”Ronald visitou a China para explorar as oportunidades de cooperação internacional para soluções inteligentes de mobilidade. “Otimizamos nossas teorias e soluções e estamos vendo claramente os resultados na Holanda. Agora estamos procurando onde podemos compartilhar nossas experiências. Novamente nos concentramos na cooperação público-privada. Afinal, a tecnologia inovadora das empresas holandesas envolvidas é essencial para realizar esses projetos no exterior. Um consórcio de nossos parceiros já ganhou uma grande licitação em Copenhague. Mas também estamos oferecendo conselhos sobre como vincular o setor público, privado e educacional”, diz Ronald.

Embora o projeto seja relevante para muitos países, a ambição de cooperar com a China não é uma surpresa, explica Ronald. “Já temos um Memorando de Entendimento com a China quando para infraestrutura e gerenciamento de água. Além disso, há muito intercâmbio entre universidades. É ótimo encontrar parceiros aqui na China que estudaram em nosso parceiro holandês, a Universidade de Delft, antes. Claro, o próximo passo é também trazer o setor privado e ver como podemos ajustar as inovações holandesas para o sistema chinês”.

Sobre o ‘Amsterdam Practical Trial’

O ‘Amsterdam Practical Trial’ testa serviços novos e aprimorados que integram sistemas inovadores em estradas e carros para usuários de estradas. O objetivo é melhorar o fluxo de tráfego, tornar o tráfego mais seguro e ajudar a tornar as cidades mais limpas. Para mais informações, visite www.praktijkproefamsterdam.nl/en.

Fonte: Governo dos Países Baixos