Dutch lead in education, innovation and quality of life

The Netherlands has been named as one of the world’s best countries for talent competitiveness. It claimed eighth place in graduate business school INSEAD’s Global Talent Competitiveness Index 2019, which ranks countries by talent competitiveness. The Netherlands is in good company. Switzerland, Singapore and the US took the first three positions. The Netherlands follows these three, together with the Scandinavian countries.

Welcoming talent

The 2019 Competitiveness report studied how entrepreneurial talent is encouraged, nurtured and developed around the globe, and its influence on competitiveness. The report’s top-ranking countries are typically the most welcoming to entrepreneurial talent, which is deeply influenced by globalization and digitalization.

The Netherlands was ranked in first place in the report for its professional management, and also ranked in the top three for its utilization of technology, the quality of its business schools and innovation output. The report also revealed that talent issues have become a common challenge for firms, cities and countries, impacting prosperity and growth.

Powerhouse Europe

Bruno Lanvin, INSEAD’s executive director of global indices and one of the report’s editors, observed that only two non-European countries, Singapore and the US, placed in its top ten positions. He said: “This underlines that Europe remains a talent powerhouse, but also that countries with great universities and a strong education sector are best at attracting talents.” He also warned that high-ranking countries must stay open and innovative to remain leaders.

Great cities

The Netherlands is also well represented in the Global City Talent Competitiveness Index. Amsterdam (no. 21), Rotterdam-The Hague (no. 28) and Eindhoven (no. 40) are represented in the upper ranks of the global index. These Dutch cities score high in the field of ICT access, quality of life and tertiary education; typical properties of the Netherlands. The research also recognizes the international value of logistics hubs such as Amsterdam Airport Schiphol and the Port of Rotterdam.

Read more about it at: INSEAD’s Global Talent Competitiveness Index 2019

Source: NFIA

Holanda: Líder em competitividade de talentos

Holandeses lideram em educação, inovação e qualidade de vida

A Holanda foi nomeada como um dos melhores países do mundo para competitividade de talentos. O país reivindicou o oitavo lugar no INSEAD Global Talent Competitiveness Index 2019, que classifica os países em competitividade de talentos. A Holanda está em boa companhia. Suíça, Cingapura e os EUA assumiram as três primeiras posições. A Holanda aparece estes três, juntamente com os países escandinavos.

Acolhedor de talentos

O relatório de Competitividade de 2019 estudou como o talento empreendedor é estimulado e desenvolvido em todo o mundo, e sua influência na competitividade. Os países mais bem classificados do relatório são tipicamente os mais receptivos ao talento empreendedor, que é profundamente influenciado pela globalização e pela digitalização.

A Holanda ficou em primeiro lugar no relatório por sua gestão profissional, e também ficou entre os três primeiros por sua utilização de tecnologia, a qualidade de suas escolas de negócios e a produção de inovação. O relatório também revelou que as questões de talentos se tornaram um desafio comum para empresas, cidades e países, impactando a prosperidade e o crescimento.

Potência europeia

Bruno Lanvin, diretor executivo de índices globais do INSEAD e um dos editores do relatório, observou que apenas dois países não europeus, Cingapura e EUA, ocuparam suas dez primeiras posições. Ele disse: “Isso sublinha que a Europa continua a ser uma potência de talentos, mas também que países com grandes universidades e um forte setor de educação são os melhores para atrair talentos”. Ele também alertou que os países de alto escalão devem permanecer abertos e inovadores para permanecer líderes.

Grandes cidades

A Holanda também está bem representada no Global City Talent Competitiveness Index. Amesterdã (21ª), Roterdã-Haia (28ª) e Eindhoven (40ª) estão representados nos escalões superiores do índice global. Essas cidades holandesas têm uma alta pontuação no campo de acesso à TIC, qualidade de vida e educação superior; propriedades típicas dos Países Baixos. A pesquisa também reconhece o valor internacional dos centros logísticos, como o Aeroporto Schiphol de Amsterdã e o Porto de Roterdã.

Leia mais sobre o índice em: INSEAD’s Global Talent Competitiveness Index 2019

Fonte: NFIA