Between May 23 and 24, Géraldine Kutas, senior adviser to the presidency for international affairs of the Brazilian Sugar Cane Industry Union (UNICA), participated in the “Governing sustainability in biomass supply chains for the bioeconomy”, an event aimed at bringing together selected stakeholders from around the world to discuss bioenergy sustainability governance, held in Utrecht, the Netherlands.

On the 27th and 28th of the same month, Géraldine participated in the opening panel in Lisbon of the European Biomass Conference (EUBCE). The UNICA representative presented to approximately 1,500 people from 75 countries the speech “Renewal: a market response to a political challenge”. In both events, the consultant highlighted the sustainability of Brazilian ethanol. UNICA’s participation is part of the sector project with the Brazilian Agency for the Promotion of Exports and Investments (Apex-Brasil).

According to Géraldine, Brazil needs to act to reduce emissions from the transportation sector, which represents 10% of the country’s total emissions, in addition to meeting the targets established in the Paris Agreement and guaranteeing the country’s energy security. According to her, the RenovaBio project arises from this reality.

“It is a market instrument to respond to this dual objective and that will create more level competition conditions between biofuels. RenovaBio recognizes the positive externalities of biofuels in general, and of ethanol in particular. In a world dominated by fossil energies, the program is innovative and recognizes that society only has to gain from using ethanol,” said Kutas.

Sustainable development

During the presentations in Europe, the UNICA representative reported that the sugar-energy sector also contributes to at least nine of the Sustainable Development Goals (SDO), a global agenda adopted during the UN Summit on Sustainable Development, comprising 17 objectives to be achieved by 2030.

In this agenda, worldwide actions are planned in the areas of food security, agriculture, health, energy, sustainable patterns of production and consumption, climate change, sustainable cities, inclusive economic growth, infrastructure, industrialization, among others.

“In the last ten years, industry wages have increased by 70%. In the state of São Paulo alone, ethanol contributes to a reduction of 1900 deaths per year, and about 9,000 hospitalizations. In addition, the use of ethanol reduces greenhouse gas emissions by 90%. RenovaBio will promote greater ethanol production and increase the sector’s contribution to the SDO, benefiting the entire Brazilian society,” explained Géraldine.

Project

In February 2008, Apex-Brasil and UNICA published a strategy to promote the image of sugarcane products abroad, especially Brazilian ethanol as clean and renewable energy. The two entities signed an agreement that provides for shared investments. The project intends to influence the process of image building of ethanol and other sugarcane products along with leading opinion makers worldwide, as well as trading companies, potential investors and importers, NGOs and consumers.

Source: Apex-Brasil

Sustentabilidade do etanol brasileiro se destaca em eventos europeus

Entre os dias 23 e 24 de maio, a assessora sênior da presidência da União da Indústria de Cana-de-Açúcar para assuntos internacionais, Géraldine Kutas, participou em Utrecht (Países Baixos) do “Governing Sustainability in biomass supply chains for the bioeconomy”, evento com objetivo de reunir stakeholders selecionados do mundo inteiro para debater sobre a governança da sustentabilidade da bioenergia.

Nos dias 27 e 28 do mesmo mês, Géraldine participou do painel de abertura, em Lisboa, da Conferência Europeia de Biomassas (EUBCE, na sigla em inglês). A representante da UNICA apresentou para aproximadamente 1500 pessoas, de 75 países, a palestra “Renovabio: uma resposta de mercado a um desafio político”. Nos dois eventos, a assessora destacou a sustentabilidade do etanol brasileiro. A participação da UNICA faz parte do projeto setorial com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

De acordo com Géraldine, o Brasil precisa atuar para reduzir as emissões do setor de transportes, que representa 10% das emissões totais do país, além de cumprir as metas estabelecidas no Acordo de Paris e garantir a segurança energética do país. Segundo ela, o RenovaBio surge dessa realidade.

“É um instrumento de mercado para responder a esse duplo objetivo e que vai criar condições mais niveladas de competição entre os biocombustíveis. O RenovaBio reconhece as externalidades positivas dos biocombustíveis em geral, e do etanol em particular. Num mundo dominado pelas energias fósseis, o programa é inovador e reconhece que a sociedade só tem a ganhar ao utilizar etanol”, destacou Kutas.

Desenvolvimento sustentável

Durante as apresentações na Europa, a representante da UNICA informou que o setor sucroenergético também contribui para ao menos nove dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), uma agenda mundial adotada durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, composta por 17 objetivos a serem atingidos até 2030.

Nessa agenda estão previstas ações mundiais nas áreas de segurança alimentar, agricultura, saúde, energia, padrões sustentáveis de produção e de consumo, mudança do clima, cidades sustentáveis, crescimento econômico inclusivo, infraestrutura, industrialização, entre outros.

“Nos últimos dez anos, os salários do setor aumentaram em 70%. Apenas no estado de São Paulo, o etanol contribui para a redução de 1900 mortes, por ano, e cerca de nove mil hospitalizações. Além disso, a utilização de etanol reduz em 90% as emissões dos gases do efeito estufa. O RenovaBio vai promover uma maior produção de etanol e aumentar a contribuição do setor para os ODS, beneficiando toda a sociedade brasileira”, explicou Géraldine.

Projeto

A Apex-Brasil e a UNICA publicaram, em fevereiro de 2008, estratégia para promover a imagem dos produtos sucroenergéticos no exterior, em especial do etanol brasileiro como uma energia limpa e renovável. As duas entidades assinaram um convênio que prevê investimentos compartilhados. O projeto pretende influenciar o processo de construção de imagem do etanol e demais derivados da cana junto aos principais formadores de opinião mundial, bem como empresas de trading, potenciais investidores e importadores, ONGs e consumidores.

Fonte: Apex-Brasil