Photo: Jefferson Peixoto/Secom

A survey released by the Brazilian Ministry of Tourism this week shows that the number of foreign visitors in Brazil has remained practically the same in the last three years. In order to move the sector and encourage the arrival of international investors, business leaders set some priorities. More investment in public safety, in infrastructure and in the fight against corruption were cited by the businessmen heard by Agência Brasil, during the Meeting of Leaders of Tourism, held in Foz do Iguaçu (PR).

The commercial director of Grupo Recanto Cataratas, Edilson Andrade, who operates in the hotel market in Foz do Iguaçu (PR), says that the private initiative believes in developing the potential of tourism and, therefore, has never stopped investing. According to Andrade, however, the sector demands more structuring actions by the government. “One example is the experience of traveling by road, lacking infrastructure. The roads are not in the same category as when the tourist visits Europe, the United States, he returns talking wonders how much he felt safe traveling with his family by car,” he says.

Brazil currently has a road network with a little more than 1.7 million kilometers in extension, however, according to the CNT Transporte 2018 survey, only 12.4% of the highways are paved. The quality of the pavement influences the safety during the transport of the tourists, but the circulation in the cities can also represent a risk under another aspect of security: the violence.

Influence of safety

In the ranking created by the free application Safe Around, which compiles data from government sites to guide tourists regarding safety, Brazil is classified as a medium-risk country for travel and ranks 81st out of 162 countries.

The tool uses eight evaluation criteria and Brazil was classified as a medium risk in the general risk, transportation, natural disasters and safety for women. Terrorism is the only criteria where the country is assessed as low risk. When it comes to robbery and armed robbery, Brazil is classified as high risk.

Despite all these limitations, the group in which Edilson Andrade works optimistically sees the National Tourism Plan’s expectation of doubling the number of international visitors and reaching the goal of 12,000 foreign visitors per year by 2022. “In the past couple years, we have come out of an infrastructure of 300 units, 300 apartments, from an important and known resort, to 1,000 units. So we have more than tripled the offer,” he says.

Another businesswoman from Foz do Iguaçu who has good expectations for the sector is the CEO of the Parque das Aves, Carmel Croukamp, ​​who has been in charge of the project for 10 years. The enterprise has grown and currently receives 830 thousand visitors per year. In the period, the group changed the focus of action and communication with visitors. The decision was motivated by the extinction of a species of bird in the region, the pararu-espelho, which caused the park to concentrate efforts on the conservation of 120 species and subspecies of Atlantic Forest.

For Carmel, cases of brand consolidation, such as the change in its business, or examples of countries such as Canada, Australia and Dubai can serve as models in creating brands for destinations in Brazil and support the promotion and marketing of services and products in the international market.

Embratur

The activity is attributed by the Brazilian Tourism Institute (Embratur). The Minister of Tourism, Marcelo Álvaro Antônio, has reinforced the idea of ​​strengthening Embratur, making it a tourism promotion agency.

This is one of the changes proposed in bills 2,724/2015 and 7,425/17, which create a new source of resources from a percentage of 1.7% of the gross collection of contests and federal lotteries, which would be deducted from the 20% of the administration fee currently paid to the Caixa Econômica Federal.

The new source would serve to make Embratur sustainable in actions to promote and disseminate Brazilian destinations in other countries and would also create new assignments for the institution. According to the president of the Permanent Commission of Tourism in the Chamber of Deputies, Newton Cardoso Jr. (MDB-MG), the agency would function in the form of autonomous social service as entities belonging to the “S” System.

The deputy said that the change would make feasible the possibility of Embratur financing projects for the development of tourism, as well as promoting the training of skilled labor for the sector. “Certain regions of the country have no supply of skilled labor. If you are going to bring in the project is very expensive, and may even become unfeasible, so investing in qualification, training, preparation of people in tourism is fundamental to generate employment,” he says.

Projects under discussion

According to the deputy, the agenda of the federal government for the sector is convergent with that of the Permanent Commission of Tourism in the Chamber of Deputies. Even so, according to him, some points seen as priorities face resistance in the National Congress. An example is the proposal that makes legal ventures such as casinos and other gambling related.

Bill 442/1991 dealing with this subject is in the Chamber of Deputies. The text has already received several amendments and currently includes different forms of games, including the most modern, such as online betting. For Mr Newton Cardoso Jr, the scope may be a factor that hinders the approval of the matter. Therefore, he already works on a proposal that intends to focus on the liberation of casinos in the so-called special areas for tourism development.

According to him, research indicates that the activity, if authorised, has the potential to generate 600 thousand jobs in the country and could inject R$ 30 billion in tax collection. With the ban on casinos in Brazil since 1946, “this type of gambling has migrated to marginality and the country has lost the opportunity for investment, business and job creation,” he says.

There are two debates on the subject within the National Congress. One would be the idea of ​​authorising casinos only in large resorts, in an integrated way. The other proposal is that defended by the president of the Tourism Commission. According to him, the idea of ​​installing the casinos in the special areas for tourism development “will promote the spread and regionalization of tourism, far from large urban centers.”

The idea is to create special areas with geographic delimitation of regions with different vocations for tourism and administratively facilitate, with exemption from taxes, speed for the installation of tourist equipment and in the licensing concessions. Casinos would be one of the equipment provided in these differentiated areas, with a number of this type of establishment, according to the population of each area.

Interest rates, credit lines and financing

In addition to the projects already discussed in Congress, the deputy says that the commission has also sought to approach the “tourism trade”, that is, the different economic sectors involved in the tourism business. One of the sectors that is part of the trade is that of the entrepreneur, who, although he has the Tourism Development and Structuring Program (Prodetur + Turismo), created by the government to facilitate obtaining financing with differentiated interest, asks for more attention for the small entrepreneur. The owner of Concept Design Hostel and Suites, Cyntia Braga, has been working in the hotel industry for five years and says that the biggest difficulty is to start low interest when you are small.

The businesswoman says she created the business with a lot of research and planning, but the results were surprising and the demand grew rapidly, with the need for expansion. “I already have my demand, I already glimpsed an interesting growth for us, I have done my homework, I already have many things lodged, awards, high scores in sales channels, I already bought a lot next to it, that is waiting for the money for the expansion, which until now has not arrived,” she says.

Cyntia created a business model between the hostel and the three star hotel, with a differentiated rate. Demand has grown creating a need to double service to private rooms. For this, it needs to invest in building a new block, but does not find credit in the market for the business profile.

According to the businesswoman, the models financed by the General Fund for Tourism (Fungetur) and offered through Prodetur + Turismo reach large projects, or prefectures and states, and exclude the small entrepreneur who needs to resort to the common interest offered by the banks. “You get in debt with interest of more than 1% a year, you can not. It’s a snowball,” she says.

Actions aimed at tourists

Another government bid to attract tourists is the decree that frees the requirement of entry visas in Brazil for tourists from the United States, Canada, Australia and Japan. The measure comes into effect on Monday (17).

Tourists from these countries were already benefiting from electronic visas and according to the government, the total number of visitors from these four nationalities grew by 15.73% in 2018. The Canadians were the ones who took the initiative the most, with an increase of 45.3%, followed by Australians (24.7%), North Americans (13.3%) and Japanese (5.5%).

“The numbers show that we are on the right track to leverage Brazilian tourism and position it among the great international destinations. We expect that, with the visa exemption for these four countries, the next results will be even more expressive,” according to Minister Marcelo Álvaro Antônio.

Source: Agência Brasil

Empresários do setor de turismo apontam prioridades para investimentos

Uma pesquisa divulgada pelo Ministério do Turismo nesta semana mostra que o número de visitantes estrangeiros no Brasil se manteve praticamente o mesmo nos últimos três anos. Para movimentar o setor e incentivar a vinda de investidores internacionais, o empresariado aponta algumas prioridades. Mais investimento em segurança pública, em infraestrutura e no combate à corrupção foram citados pelos empresários ouvidos pela Agência Brasil, durante o Encontro de Líderes do Turismo, realizado em Foz do Iguaçu (PR).

O diretor comercial do Grupo Recanto Cataratas, Edilson Andrade, que atua no mercado de hotelaria em Foz do Iguaçu (PR), afirma que a iniciativa privada acredita no desenvolvimento do potencial do turismo e, por isso, nunca deixou de investir. Segundo Andrade, no entanto, o setor exige mais ações estruturantes por parte do governo. “Um exemplo é a experiência de viajar de forma rodoviária, falta infraestrutura. As vias não estão na mesma categoria de quando o turista visita a Europa, os Estados Unidos, que ele volta falando maravilhas do quanto se sentiu seguro em viajar de carro com a família”, diz.

O Brasil tem atualmente uma malha rodoviária com pouco mais de 1,7 milhão de quilômetros em extensão, no entanto, de acordo com o Anuário CNT do Transporte 2018, apenas 12,4% das rodovias são pavimentadas. A qualidade da pavimentação influencia na segurança durante o transporte dos turistas, mas a circulação nas cidades também pode representar um risco sob outro aspecto de segurança: a violência.

Influência da segurança

No ranking criado pelo aplicativo gratuito Safe Around, que compila dados de sites governamentais para orientar os turistas quanto à segurança, o Brasil aparece classificado como um país de médio risco para viajar e ocupa a 81ª colocação, entre os 162 países avaliados.

A ferramenta utiliza oito critérios de avaliação e o Brasil foi classificado como médio risco nos quesitos risco geral, golpes, transportes, desastres naturais e segurança para mulheres. O terrorismo é o único quesito em que o país é avaliado como de baixo risco. Já quando o assunto é furto e assaltos a mão armada, o Brasil é classificado como de alto risco.

Mesmo com todas essas limitações, o grupo em que Edilson Andrade atua vê com otimismo a expectativa apontada pelo Plano Nacional de Turismo, de dobrar o número de visitantes internacionais e atingir a meta de 12 mil visitantes estrangeiros ao ano, até 2022. “De dois anos para cá, nós saímos de uma infraestrutura de 300 unidades, 300 apartamentos, de um resort importante e conhecido, para, simplesmente, 1.000 unidades. Então, a gente mais que triplicou a oferta”, diz.

Outra empresária de Foz do Iguaçu que tem boa expectativa para o setor é a diretora-geral CEO do Parque das Aves, Carmel Croukamp, que atua à frente do empreendimento há 10 anos. O empreendimento cresceu e atualmente recebe 830 mil visitantes ao ano. No período, o grupo mudou o foco de atuação e a comunicação com os visitantes. A decisão foi motivada pela extinção de uma espécie de ave da região, o pararu-espelho, que fez com que o parque passasse a concentrar esforços na conservação de 120 espécies e subespécies de Mata Atlântica.

Para Carmel, casos de consolidação de marca, como a mudança em seu empreendimento, ou ainda exemplos de países como Canadá, Austrália e Dubai podem servir de modelos na criação de marcas para os destinos no Brasil e favorecer a promoção e comercialização dos serviços e produtos turísticos brasileiros no mercado internacional.

Embratur

A atividade é atribuição do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur). O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, tem reforçado a ideia de fortalecer a Embratur tornando-a uma agência de promoção do turismo.

Essa é uma das mudanças propostas nos projetos de lei 2.724/2015 e 7.425/17, que criam uma nova fonte de recursos a partir de um percentual de 1,7% da arrecadação bruta dos concursos e das loterias federais, que seria deduzido dos 20% da taxa de administração atualmente paga à Caixa Econômica Federal.

A nova fonte serviria para tornar a Embratur sustentável nas ações de promoção e divulgação dos destinos brasileiros em outros países e também criaria novas atribuições para a instituição. Segundo o presidente da Comissão Permanente de Turismo na Câmara dos Deputados, Newton Cardoso Jr. (MDB-MG), a agência funcionaria no formato de serviço social autônomo como as entidades pertencentes ao Sistema “S”.

O deputado afirma que a mudança tornaria viável a possibilidade de a Embratur financiar projetos para o desenvolvimento do turismo, além de fomentar a capacitação de mão de obra especializada para o setor. “Determinadas regiões do país não têm oferta de mão de obra qualificada. Se você vai trazer de fora o projeto fica muito caro, e pode até se inviabilizar, então, investir em qualificação, treinamento, preparação de pessoas no turismo é fundamental para gerar emprego, inclusive”, diz.

Projetos em debate

De acordo com o deputado, a pauta do governo federal para o setor é convergente com a da Comissão Permanente de Turismo na Câmara dos Deputados. Mesmo assim, segundo ele, alguns pontos vistos como prioridades enfrentam resistência no Congresso Nacional. Um exemplo é a proposta que torna legais empreendimentos como cassinos e outros relacionados a jogos de azar.

O projeto de lei 442/1991 que trata desse tema tramita na Câmara dos Deputados. O texto já recebeu várias emendas e, atualmente, inclui diferentes formas de jogos, inclusive, os mais modernos, como as apostas online. Para o deputado Newton Cardoso Jr, a abrangência pode ser um fator que dificulta a aprovação da matéria. Por isso, ele já trabalha em uma proposição que pretende focar na liberação de cassinos nas chamadas áreas especiais para desenvolvimento turístico.

Segundo ele, pesquisas indicam que a atividade, caso seja liberada, tem potencial de gerar mais 600 mil empregos no país e poderia injetar R$ 30 bilhões em arrecadação de tributos. Com a proibição dos cassinos no Brasil desde 1946, “esse tipo de jogo migrou para a marginalidade e o país tem perdido a oportunidade de investimento, negócios e geração de emprego”, diz.

Existem dois debates acerca do assunto dentro do Congresso Nacional. Um seria a ideia de liberar os cassinos apenas em grandes resorts, de forma integrada. A outra proposta é a defendida pelo presidente da Comissão de Turismo. Segundo ele, a ideia de instalar os cassinos nas áreas especiais para desenvolvimento turístico “promoverá a pulverização e regionalização do turismo, distante dos grandes centros urbanos”.

A ideia é criar as áreas especiais com delimitação geográfica de regiões com diferentes vocações para turismo e facilitar de forma administrativa, com isenção de tributos, celeridade para instalação de equipamentos turísticos e nas concessões de licenças. Os cassinos seriam um dos equipamentos previstos nessas áreas diferenciadas, com delimitação de número desse tipo de estabelecimento, de acordo com a população de cada área.

Taxas de juros, linhas de crédito e financiamento

Além das matérias já em debate no Congresso, o deputado diz que a comissão também tem buscado se aproximar do “trade turístico”, ou seja, dos diferentes setores econômicos envolvidos no negócio do turismo. Um dos setores que faz parte do trade é o do empreendedor, que, embora tenha o Programa de Desenvolvimento e Estruturação do Turismo (Prodetur+Turismo), criado pelo governo para facilitar obtenção de financiamento com juros diferenciados, pede mais atenção para o pequeno empreendedor. A proprietária do Concept Design Hostel e Suítes, Cyntia Braga, atua no setor hoteleiro há cinco anos e diz que a maior dificuldade enfrentada é empreender a juros baixos quando se é pequeno.

A empresária conta que criou o negócio com muita pesquisa e planejamento, mas os resultados foram surpreendentes e a demanda cresceu rapidamente, com isso veio a necessidade de expansão. “Eu já tenho a minha demanda, eu já vislumbrei um crescimento interessante para a gente, já fiz a minha lição de casa, já estou com muitas coisas engatilhadas, premiações, altas pontuações em canais de vendas, já comprei um terreno ao lado, que está esperando o dinheiro para a ampliação, que até agora não chegou”, diz.

Cyntia criou um modelo de negócios entre o hostel e o hotel três estrelas, com uma tarifa diferenciada. A demanda cresceu criando uma necessidade de duplicar o atendimento para os quartos privativos. Para isso, ela precisa investir na construção de um novo bloco, mas não encontra crédito no mercado para o perfil de negócio.

Segundo a empresária, os modelos financiados pelo Fundo Geral de Turismo (Fungetur) e ofertados por meio do Prodetur+Turismo atingem grandes projetos, ou prefeituras e estados, e excluem o pequeno empreendedor que precisa recorrer aos juros comuns ofertados pelos bancos. “Você se endividar com juros de mais de 1% ao ano não dá, não tem como. É uma bola de neve”, diz.

Ações voltadas para turistas

Outra aposta do governo para atrair turistas é o decreto que libera a exigência de vistos de entrada no Brasil para turistas dos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão. A medida entra em vigor na segunda-feira (17).

Os turistas desses países já eram beneficiados com o visto eletrônico e, de acordo com o governo, o total de visitantes dessas quatro nacionalidades cresceu 15,73% em 2018. Os canadenses foram os que mais aproveitaram a iniciativa, com um salto de 45,3%, seguidos dos australianos (24,7%), norte-americanos (13,3%) e japoneses (5,5%).

“Os números mostram que estamos no caminho certo para alavancar o turismo brasileiro e posicioná-lo entre os grandes destinos internacionais. Temos a expectativa de que, com a isenção de visto para esses quatro países, os próximos resultados sejam ainda mais expressivos”, destaca o ministro Marcelo Álvaro Antônio.

Fonte: Agência Brasil