By 2030 the Netherlands will have reduced its greenhouse gas emissions by half compared to 1990 levels. The measures to do this are laid down in the National Climate Agreement that the Minister of Economic Affairs and Climate Policy, Eric Wiebes, sent to parliament at the end of last month. The agreement is based on the principle that reducing carbon emissions must be feasible and affordable for everyone. The government therefore seeks to limit the financial impact on households as much as possible and to divide the burden fairly between citizens and businesses. Another key element of the deal is not rushing the measures: they will be introduced step by step.

Over the past year more than 100 parties worked to produce a package of proposals that will enable the Netherlands to halve its carbon emissions. The government will also introduce additional measures to ensure that the impact in terms of both effort and cost is divided fairly.

Fair share

The government is shifting the financial burden from households to businesses. It will reduce the total tax payable on domestic energy use, so that households with an average energy consumption will see their annual energy bill fall by €100 next year. Subsequent increases in energy tax will be modest. Industry, on the other hand, will until 2030 contribute more to the renewable energy surcharge than it will receive in transition grants under the Climate Agreement. The government will also ensure that incentives for electric vehicles do not disadvantage people who cannot yet afford to buy an electric car.

The government is also introducing measures, such as a sensible carbon tax, to make industry cleaner and keep jobs in the country. This will help businesses become more sustainable while strengthening the Netherlands’ competitive position.

Feasible measures

The National Climate Agreement will affect everyone, but not immediately. The Netherlands will use all of the 31 years between now and 2050 to make the transition. The government will start in the years ahead by making the transition easier for households through an approach at neighbourhood level and will encourage people to invest in sustainable mobility and home insulation at a time that is right for them. The Energy Retrofit Fund (‘Warmtefonds’) is a new financing option for homeowners who want to make their homes more energy-efficient.

The package of measures being presented will enable the Netherlands to fulfil its commitments under the Paris Agreement. The government is confident that the National Climate Agreement will make the country economically stronger and more sustainable, for the benefit of all.

Source: Government of the Netherlands

Acordo climático torna a diminuição à metade das emissões de carbono possível e acessível

Até 2030, os Países Baixos reduzirão as suas emissões de gases com efeito de estufa para metade, em comparação com os níveis de 1990. As medidas para isso estão estabelecidas no Acordo Nacional sobre o Clima, que o Ministro de Assuntos Econômicos e Políticas Climáticas, Eric Wiebes, enviou ao parlamento no final de junho. O acordo baseia-se no princípio de que a redução das emissões de carbono deve ser viável e acessível a todos. O governo, portanto, procura limitar o impacto financeiro sobre as famílias tanto quanto possível e dividir a carga de forma justa entre os cidadãos e as empresas. Outro elemento-chave do acordo é não apressar as medidas: elas serão introduzidas passo a passo.

Durante o ano passado, mais de 100 partidos trabalharam para produzir um pacote de propostas que permitiria a Holanda reduzir pela metade suas emissões de carbono. O governo também introduzirá medidas adicionais para garantir que o impacto em termos de esforço e custo seja dividido de forma justa.

Quota justa

O governo está transferindo a carga financeira das famílias para as empresas. Isso reduzirá o imposto total a ser pago sobre o uso doméstico de energia, de modo que os domicílios com um consumo médio de energia verão sua conta anual de energia cair em € 100 no próximo ano. Aumentos subsequentes no imposto sobre energia serão modestos. A indústria, por outro lado, contribuirá até 2030 mais para a sobretaxa de energia renovável do que receberá em subsídios de transição sob o Acordo Climático. O governo também garantirá que os incentivos para veículos elétricos não prejudiquem as pessoas que ainda não podem comprar um carro elétrico.

O governo também está introduzindo medidas, como um adequado imposto de carbono, para tornar a indústria mais limpa e manter empregos no país. Isso ajudará as empresas a se tornarem mais sustentáveis ​​e, ao mesmo tempo, fortalecer a posição competitiva da Holanda.

Medidas viáveis

O Acordo Climático Nacional afetará a todos, mas não imediatamente. A Holanda usará todos os 31 anos entre agora e 2050 para fazer a transição. O governo começará nos próximos anos facilitando a transição para os agregados familiares através de uma abordagem ao nível da vizinhança e encorajará as pessoas a investir na mobilidade sustentável e no isolamento das habitações numa altura que seja adequada para elas. O Fundo de Retrofit de Energia (‘Warmtefonds’) é uma nova opção de financiamento para os proprietários de casas que querem tornar suas casas mais eficientes em termos energéticos.

O pacote de medidas apresentado permitirá aos Países Baixos cumprir os seus compromissos ao abrigo do Acordo de Paris. O governo está confiante de que o Acordo Nacional sobre o Clima tornará o país economicamente mais forte e mais sustentável, para o benefício de todos.

Fonte: Governo dos Países Baixos