New investments could reach R$ 453 billion in the period

The trade agreement between Mercosur and the European Union could bring gains of R$ 500 billion in ten years to the Gross Domestic Product (GDP, sum of goods and services produced) in Brazil. The estimate was released earlier this month by the Secretary of Foreign Trade of the Ministry of Economy, Lucas Ferraz.

According to the secretary, the agreement may also generate additional investments of R$ 453 billion in Brazil in the first ten years of validity. The trade flow – sum of exports and imports – will be increased by R$ 1 trillion in the same period.

The special secretary for Foreign Trade and International Affairs of the Ministry of Economy, Marcos Troyjo, said the agreement brought gains for both sides. “We are convinced that the agreement is not a zero-sum game, where one wins and another loses. They are collective gains, because the economies are complementary,” he said.

To enter into force, the agreement needs to be ratified by all Mercosur countries and the European Union. In some countries, such as Belgium, the agreement will also need to be voted on by regional parliaments. Ferraz said that Mercosur is negotiating the possibility of the agreement coming into force in each country once each parliament approves the document.

Despite the delay in parliaments’ confirmation of the agreement, Troyjo said that the effects on the Brazilian economy may begin to be felt sooner. “The economy is composed of both fundamentals [current conditions] and the formation of expectations [evaluations about the future]. Companies that do long-term planning will have to put on the radar screen that Brazil now has an agreement with the largest value-added economy in the European Union,” he said.

“The agreement brings intangible benefits. It changes the perception of the world in relation to Mercosur as a bloc, as an actor in international trade. Not to mention that the agreement brings a new momentum for agreements now in negotiation, with Canada, South Korea and the countries of Europe outside the European Union. The agreement puts Mercosur in the Champions League of international trade,” added Ferraz.

Source: Agência Brasil

Acordo Mercosul/UE poderá elevar PIB em R$ 500 bi em dez anos

Novos investimentos poderão chegar a R$ 453 bi no período

O acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia poderá trazer ganhos de R$ 500 bilhões em dez anos para o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos) brasileiro. A estimativa foi divulgada no início do mês pelo secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Lucas Ferraz.

Segundo o secretário, o acordo também poderá gerar investimentos adicionais de R$ 453 bilhões no Brasil nos primeiros dez anos de vigência. A corrente de comércio – soma de exportações e importações – será ampliada em R$ 1 trilhão no mesmo período.

O secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo, disse que o acordo trouxe ganhos para os dois lados. “Temos a convicção de que o acordo não é um jogo de soma zero, onde um ganha e outro perde. São ganhos coletivos, até porque as economias são complementares”, declarou.

Para entrar em vigor, o acordo precisa ser ratificado por todos os países do Mercosul e da União Europeia. Em alguns países, como a Bélgica, o acordo também precisará ser votado por parlamentos regionais. Ferraz informou que o Mercosul negocia a possibilidade de que o acordo entre em vigor em cada país do bloco assim que cada parlamento aprovar o documento.

Apesar da demora de os parlamentos confirmarem o acordo, Troyjo disse que os efeitos na economia brasileira podem começar a ser sentidos antes. “A economia é composta tanto por fundamentos [condições atuais] como pela formação de expectativas [avaliações sobre o futuro]. As empresas que fizerem planejamento de longo prazo terão de colocar na tela de radar que o Brasil agora tem acordo com a maior economia no valor agregado que é a da União Europeia”, declarou.

“O acordo traz benefícios intangíveis. Muda a percepção do mundo em relação ao Mercosul como bloco, como ator no comércio internacional. Sem contar que o acordo traz uma nova dinâmica para acordos ora em negociação, com o Canadá, a Coreia do Sul e os países da Europa fora da União Europeia. O acordo põe o Mercosul na Champions League do comércio internacional”, completou Ferraz.

Fonte: Agência Brasil