Almost 100 companies have opted for the Netherlands since Brexit referendum

Due to the ongoing uncertainty in the United Kingdom, the Netherlands is becoming increasingly popular as a destination for Brexit-impacted companies. To date, almost 100 companies have opted for the Netherlands and some 325 companies are interested in the country due to the uncertain position of the UK in the European Union. That is being made known today (26) by the Netherlands Foreign Investment Agency (NFIA), the organization that attracts foreign companies to the Netherlands on behalf of the Dutch government. The NFIA expects that the Brexit results will grow further in the coming months.

Jeroen Nijland, NFIA Commissioner: “It is clear that the Netherlands regrets the intended departure of the British from the European Union. And it is clear that Brexit undeniably has economic implications for international business, because they do business everywhere in Europe. The ongoing growing uncertainty in the United Kingdom, and the increasingly clearer possibility of a no deal, is causing major economic unrest for these companies. That is why more and more companies are orienting themselves in the Netherlands as a potential new base in the European market.”

First wave of companies

In relation to Brexit, the Netherlands is particularly attractive for companies in the financial sector, IT, the media and advertising industry and life sciences and health. The almost 100 companies that have already opted for the Netherlands mostly have urgent reasons, for example because of a banking license or broadcasting rights to remain active in the EU. For example, companies such as Bloomberg, AMBest, MarketAxess, Discovery, Norinchukin and UK P&I chose the country. Nevertheless, many companies are awaiting clarity about how Brexit will finally take shape and what that means for, for example, the logistics chain or the free movement of people.

Access to the EU is paramount

The increased interest in the Netherlands is not only coming from British companies. Companies from North America, Asia and Australia are now orienting themselves differently on the possibilities of Europe in light of Brexit. Companies are revising their strategy because of the necessary access to the EU. The NFIA sees that the Netherlands is a compelling choice in that respect. With strong logistics facilities, English-speaking population and digital infrastructure, we can ensure that businesses can continue to do business in the European market. Companies need this certainty, for example to be able to attract talent, to reach customers across borders on time and to source European innovation funds.

NFIA Commissioner Nijland: “The Netherlands is an attractive country for Brexit-impacted companies. But the Netherlands is not the only country that these Brexit companies are looking at. We are competing with countries such as France, Ireland, Germany and Belgium. Our experience shows that when a Brexit deal gets further out of sight, and the chance of a no deal increases, more companies contact us. Brexit remains bad news for the Netherlands, but with Brexit more companies are going to choose our country in the coming years.”

Source: NFIA

Mais empresas impactadas pelo Brexit escolhem a Holanda devido à contínua incerteza

Cerca de 100 empresas optaram pela Holanda desde o referendo do Brexit

Devido à incerteza em curso no Reino Unido, a Holanda está se tornando cada vez mais popular como um destino para as empresas impactadas pelo Brexit. Até o momento, cerca de 100 empresas optaram pela Holanda e cerca de 325 empresas estão interessadas no país devido à posição incerta do Reino Unido na União Europeia. Isso está sendo divulgado hoje (26) pela Agência de Investimento Estrangeiro da Holanda (NFIA), a organização que atrai empresas estrangeiras para a Holanda, em nome do governo holandês. A NFIA espera que os resultados do Brexit cresçam ainda mais nos próximos meses.

Jeroen Nijland, Comissário da NFIA: “É claro que a Holanda lamenta a pretendida saída dos britânicos da União Europeia. E é claro que o Brexit inegavelmente tem implicações econômicas para os negócios internacionais, porque eles fazem negócios em toda a Europa. A crescente incerteza no Reino Unido, e a possibilidade cada vez mais clara de um não acordo, está causando grande agitação econômica para essas empresas. É por isso que mais e mais empresas estão optando pelos Países Baixos como uma nova base potencial no mercado europeu”.

Primeira onda de empresas

Em relação ao Brexit, a Holanda é particularmente atraente para empresas do setor financeiro, de TI, da indústria de mídia e publicidade e de ciências da vida e saúde. As quase 100 empresas que já optaram pela Holanda, na maioria das vezes, têm motivos urgentes, por exemplo, por causa de uma licença bancária ou direitos de transmissão para permanecerem ativos na UE. Por exemplo, empresas como Bloomberg, AMBest, MarketAxess, Discovery, Norinchukin e UK P&I escolheram o país. No entanto, muitas empresas estão aguardando clareza sobre como o Brexit finalmente tomará forma e o que isso significa, por exemplo, para a cadeia logística ou a livre circulação de pessoas.

O acesso à UE é fundamental

O aumento do interesse na Holanda não vem apenas de empresas britânicas. Empresas da América do Norte, Ásia e Austrália estão agora se orientando diferentemente sobre as possibilidades da Europa à luz do Brexit. As empresas estão revisando sua estratégia por causa do acesso necessário à UE. A NFIA considera que a Holanda é uma opção convincente a esse respeito. Com fortes instalações logísticas, população com domínio da língua inglesa, e infraestrutura digital, podemos garantir que as empresas possam continuar a fazer negócios no mercado europeu. As empresas precisam dessa certeza, por exemplo, para conseguir atrair talentos, alcançar clientes além das fronteiras a tempo e obter fundos europeus de inovação.

Nijia, Comissária da NFIA: “A Holanda é um país atraente para as empresas impactadas pelo Brexit. Mas nós não somos o único país que essas empresas Brexit estão olhando. Estamos competindo com países como França, Irlanda, Alemanha e Bélgica. Nossa experiência mostra que, quando um acordo Brexit fica fora de vista, e a chance de um não acordo aumenta, mais empresas nos contatam. O Brexit continua a ser uma má notícia para os Países Baixos, mas com o Brexit, mais empresas vão escolher o nosso país nos próximos anos.”

Fonte: NFIA