Dutch Prime Minister Mark Rutte and Former UN Secretary General Ban Ki-Moon in 2014. Photo: Wikimedia Commons

At the UN Climate Summit in New York, prominent delegates such as former UN Secretary-General Ban Ki-Moon, Dutch Prime Minister Mark Rutte, and Dutch Water Management Minister Van Nieuwenhuizen launched the Year of Action of the Global Commission on Adaptation. Over the next 12 months, the Commission will be working on climate solutions to regions that are vulnerable to climate change, solutions such as reinforcing coastal areas and future-proofing urban infrastructure. The year of action will run until the Dutch Climate Adaptation Summit, to be held in Amsterdam on 22 October 2020.

‘It is crucial for us to take action in order to prepare properly for the impact of climate change. Not only in the Netherlands, with a considerable surface area located below sea level, but in almost every country of the world. Dehydration, extreme downpours, prolonged heat, and exhaustion of farmland: innovation, action, and adaptation are desperately needed,’ Prime Minister Rutte stated.

During the opening meeting, attended by special guest King Willem-Alexander, Commission Chairs Ban Ki-Moon and Bill Gates reflected on their earlier published flagship report on the effects of the changing climate.

Mr Ban Ki-Moon: ‘Action is imperative if we want all people, especially those living on the frontlines of climate change, and our children, who will inherit the impacts of climate change, to have the opportunity for a better future. During our Year of Action we will implement climate-resilient solutions all over the world so we can save lives, reduce risk, strengthen economies, and protect our environment. We no longer have any time to waste.’

Several attending government leaders, among whom were Prime Minister Sheikh Hasina (Bangladesh), and President Sebastian Pinera (Chile) discussed ways to cope with the impact of the changing climate.

Minister Van Nieuwenhuizen: ‘We are at a turning point. Increasingly more countries are acknowledging the need for expediting their investments in, e.g., stronger coastal protection and climate-proof infrastructure. With the upcoming Year of Action, the Global Commission will embark on an important next step not only by keeping the issue high on its agenda, but especially by starting to work on practical solutions to the reinforcement of vulnerable regions.’

Global Commission on Adaptation

The Commission, which was set up last year on the initiative of Minister Van Nieuwenhuizen, presented its Adapt Now report on 10 September. Its main conclusion is that damage caused by waterlogging, heat, drought, and urban flooding will increase further if we refrain from prompt investments in the prevention of climate damage. The Commission has calculated that every euro invested in, e.g., dyke improvement will save between 2 and 10 euros, because such efforts will mitigate the damage caused by flooding.

In addition to the need to reduce greenhouse gas emissions, the Commission’s goal is to convince countries and regions of the need for timely investments in adaptation to the impact of the changing climate, in order to be prepared for the consequences of increasing weather extremes, such as the rising sea level, prolonged periods of heat and drought, and ever declining supplies of clean drinking water.

Amsterdam Climate Summit

On 22 October 2020, the Year of Action will be concluded by a Climate Adaptation Summit in Amsterdam, where all the plans generated by the Year of Action will be presented. Furthermore, countries, businesses, and NGOs will be provided with a platform to showcase the climate solutions they have developed. In the week around the Climate Summit, the Netherlands will demonstrate the Dutch climate solutions to delegations from abroad, as potential solutions to the climate challenges they are faced with.

Source: Government of the Netherlands

Ban Ki-Moon, Primeiro Ministro Rutte e Ministra Van Nieuwenhuizen iniciam o Ano de Ação da Comissão Climática

Na Cúpula do Clima da ONU em Nova York, delegados de destaque, como o ex-secretário-geral da ONU Ban Ki-Moon, o primeiro-ministro holandês Mark Rutte e a ministra holandesa de gerenciamento de água, Van Nieuwenhuizen, lançaram o ano de ação da Comissão Global de Adaptação. Nos próximos 12 meses, a Comissão trabalhará em soluções climáticas para regiões vulneráveis ​​às mudanças climáticas, soluções como reforço de áreas costeiras e infraestrutura urbana à prova de futuro. O ano de ação decorrerá até a Cúpula Holandesa de Adaptação ao Clima, a ser realizada em Amsterdã em 22 de outubro de 2020.

“É crucial que tomemos medidas para nos preparar adequadamente para o impacto das mudanças climáticas. Não apenas na Holanda, com uma superfície considerável localizada abaixo do nível do mar, mas em quase todos os países do mundo. Seca, chuvas extremas, calor prolongado e exaustão das terras agrícolas: inovação, ação e adaptação são desesperadamente necessárias”, afirmou o primeiro-ministro Rutte.

Durante a reunião de abertura, com a presença do convidado especial do rei Willem-Alexander, os presidentes da Comissão Ban Ki-Moon e Bill Gates refletiram em seu relatório publicado anteriormente sobre os efeitos das mudanças climáticas.

Sr. Ban Ki-Moon: ‘A ação é imprescindível se queremos que todas as pessoas, especialmente as que vivem na linha de frente das mudanças climáticas, e nossos filhos, que herdarão os impactos das mudanças climáticas, tenham a oportunidade de um futuro melhor. Durante o nosso ano de ação, implementaremos soluções resistentes ao clima em todo o mundo, para que possamos salvar vidas, reduzir riscos, fortalecer economias e proteger nosso meio ambiente. Não temos mais tempo a perder.’

Vários líderes governamentais presentes, entre os quais o primeiro-ministro Sheikh Hasina (Bangladesh) e o presidente Sebastian Pinera (Chile) discutiram maneiras de lidar com o impacto da mudança climática.

Ministra Van Nieuwenhuizen: ‘Estamos em um ponto de virada. Cada vez mais países reconhecem a necessidade de acelerar seus investimentos em, por exemplo, proteção costeira mais forte e infraestrutura à prova de clima. Com o próximo ano de ação, a Comissão Global dará um próximo passo importante, não apenas mantendo a questão no topo de sua agenda, mas principalmente começando a trabalhar em soluções práticas para o reforço de regiões vulneráveis.’

Comissão Global de Adaptação

A Comissão, criada no ano passado por iniciativa da ministra Van Nieuwenhuizen, apresentou seu relatório Adapt Now em 10 de setembro. Sua principal conclusão é que os danos causados ​​pelo alagamento, calor, seca e inundações urbanas aumentarão ainda mais se abstermos de investimentos imediatos na prevenção de danos climáticos. A Comissão calculou que cada euro investido em, por exemplo, melhoria de diques economizará entre 2 e 10 euros, porque esses esforços mitigarão os danos causados ​​pelas inundações.

Além da necessidade de reduzir as emissões de gases de efeito estufa, o objetivo da Comissão é convencer os países e regiões da necessidade de investimentos oportunos na adaptação ao impacto das mudanças climáticas, a fim de estar preparado para as consequências do aumento de extremos climáticos, como como o aumento do nível do mar, períodos prolongados de calor e seca e fornecimento sempre decrescente de água potável.

Cúpula do Clima de Amesterdã

Em 22 de outubro de 2020, o Ano de Ação será concluído por uma Cúpula de Adaptação ao Clima em Amsterdã, onde serão apresentados todos os planos gerados pelo Ano de Ação. Além disso, os países, empresas e ONGs terão uma plataforma para mostrar as soluções climáticas que desenvolveram. Na semana em torno da Cúpula do Clima, a Holanda demonstrará as soluções climáticas holandesas para as delegações do exterior, como possíveis soluções para os desafios climáticos com que se deparam.

Fonte: Governo dos Países Baixos