Photo: NFIA

Top European ranking in 2019 Global Competitive Index by World Economic Forum (WEF)

The Netherlands has the most competitive economy in Europe for the first time. Worldwide, only Singapore, the United States and Hong Kong are ahead of the Netherlands, according to the 2019 ranking of the Global Competitiveness Index prepared by the World Economic Forum (WEF).

The Netherlands is most stable macroeconomic country

The WEF ranks the Netherlands highest in the world for macroeconomic stability and the report also sees the country performing particularly well in infrastructure and business dynamism.  In 2016 and 2017, the Netherlands ranked as the most competitive economy in the European Union however Switzerland took first place in Europe as a whole.

Dutch economy more dynamic

The Netherlands State Secretary for Economic Affairs and Climate Policy, Mona Keijzer , said: “The WEF report states that ‘the Dutch economy has become much more dynamic’ and that ‘our infrastructure, the functioning of the government including economic policy and the increased growth of innovative companies’ are world class.”

Keijzer said these are fine and deserved compliments for Dutch entrepreneurs, their employees and our knowledge institutions. “But we will have to continue to invest in innovation, in the both the public and private sectors, in order to maintain that top position and thus our jobs and income in the future.”

New technologies

Keijzer stressed the importance of Dutch government, businesses and knowledge institutes to together develop new technologies such as AI to help the Dutch economy to continue to grow.

“In the future, too, the Netherlands must find an answer to the economic and social challenges facing us. It is not only the search for sufficiently trained staff that will increasingly determine the pace of future economic growth. New technological, often digital challenges such as artificial intelligence (AI), photonics, quantum, nano and biotechnology) require a strong public-private partnership,” Keijzer said. The government has recently announced a new policy for technological innovation and funding facilities will be announced this fall.

Emerging economies

Keijzer further noted that a focused Dutch approach is necessary because established and emerging economies in Asia are changing the international playing field. These countries are developing their knowledge economy at a rapid pace and thus increasingly form competition for the Netherlands and therefore its jobs and income.

“However, the current ranking in the Global Competitiveness Index shows that the Netherlands is well-positioned to be able to cope with that competition,” Keijzer said.

Holland in top ten

The Netherlands has been consistently in the top ten of the most competitive economies in the world since 2005. In 2016 and 2017, the Netherlands occupied fourth place globally and was the most competitive economy in the European Union. Last year, the Netherlands dropped to sixth place. This year the Netherlands has passed both Germany and Switzerland and is back in fourth place globally. The entire list consists of 141 countries.

Source: Netherlands Ministry of Economic Affairs and Climate Policy

A Holanda é a economia mais competitiva da Europa pela primeira vez

Melhor país europeu no Índice de Competitividade Global 2019 do World Economic Forum (WEF)

A Holanda tem pela primeira vez a economia mais competitiva da Europa. No mundo todo, apenas Cingapura, Estados Unidos e Hong Kong estão à frente da Holanda, de acordo com o ranking de 2019 do Índice de Competitividade Global, preparado pelo Fórum Econômico Mundial (WEF).

A Holanda é o país com maior estabilidade macroeconômica

O WEF classifica a Holanda como a mais alta do mundo em estabilidade macroeconômica, e o relatório também vê o país apresentando um desempenho particularmente bom em infraestrutura e dinamismo dos negócios. Em 2016 e 2017, a Holanda foi classificada como a economia mais competitiva da União Europeia, no entanto, a Suíça ficou em primeiro lugar na Europa como um todo.

Economia holandesa mais dinâmica

A secretária de Estado holandesa para assuntos econômicos e política climática, Mona Keijzer, disse: “O relatório do WEF afirma que ‘a economia holandesa se tornou muito mais dinâmica’ e que ‘nossa infraestrutura, o funcionamento do governo, incluindo a política econômica e o aumento do crescimento empresas inovadoras são de classe mundial.”

Keijzer disse que estes são ótimos e merecidos elogios para os empresários holandeses, seus funcionários e nossas instituições de conhecimento. “Mas teremos que continuar investindo em inovação, tanto no setor público quanto no privado, para manter essa posição superior e, portanto, nossos empregos e renda no futuro.”

Novas tecnologias

Keijzer enfatizou a importância do governo, empresas e institutos holandeses de desenvolver juntos novas tecnologias, como a IA, para ajudar a economia holandesa a continuar crescendo.

“No futuro, também, a Holanda deve encontrar uma resposta para os desafios econômicos e sociais que enfrentamos. Não é apenas a busca de pessoal suficientemente treinado que determinará cada vez mais o ritmo do crescimento econômico futuro. Novos desafios tecnológicos, muitas vezes digitais, como inteligência artificial (IA), fotônica, quantum, nano e biotecnologia) exigem uma forte parceria público-privada”, disse Keijzer. O governo anunciou recentemente que uma nova política para inovação tecnológica e recursos de financiamento será divulgada neste outono.

Economias emergentes

Keijzer observou ainda que é necessária uma abordagem focada, porque economias estabelecidas e emergentes na Ásia estão mudando o campo de atuação internacional. Esses países estão desenvolvendo sua economia do conhecimento em um ritmo acelerado e, assim, cada vez mais formam uma concorrência para a Holanda e, portanto, seus empregos e renda.

“No entanto, o ranking atual no Índice de Competitividade Global mostra que a Holanda está bem posicionada para lidar com essa competição”, disse Keijzer.

Holanda entre os dez primeiros

A Holanda está constantemente entre as dez principais economias mais competitivas do mundo desde 2005. Em 2016 e 2017, a Holanda ocupava o quarto lugar no mundo e era a economia mais competitiva da União Europeia. No ano passado, a Holanda caiu para o sexto lugar. Este ano, a Holanda passou a Alemanha e a Suíça e está de volta em quarto lugar no ranking global. A lista é composta por 141 países.

Fonte: Ministério Holandês de Assuntos Econômicos e Política do Clima