Photo: Ipea

The objective is to study the impacts of scientific production on the economy

The Brazilian Institute of Applied Economic Research (Ipea) launched earlier this month their Science, Technology and Society Research Center (CTS). The new nucleus brings together researchers from different fields of knowledge to study the impacts that science and technology have on the economy, society and people’s quality of life, especially in the areas of health, education and sustainability.

“It is vital today when science is being questioned that we discuss the importance that scientific and technological production has for Brazil’s development and how to amplify these positive impacts on development, economic growth and the generation of income,” said researcher Fernanda De Negri, coordinator of CTS.

For Ipea’s Director of Studies, Infrastructure and Innovation, André Rauen, the new nucleus will benefit the information flow within the institute, by integrating several areas that previously worked independently from each other.

“For the first time we will be able to work inter-structures. We will encourage researchers to work towards the transformation of society, focused on concrete problems. There is no country in the world that has made technological development without state support. Research and development, even private, depends on public support, which has to be complementary. This happens in England, the United States, Germany and China,” said Rauen.

CTS researcher Priscila Koeller presented, during the launch of the new center, a study showing that investments in science and technology have been dropping in recent years and could reach 2000 levels if the government does not unlock funding for the sector this year.

“If we are unable to reverse our contingency reserves, we expect it to be below 2000. It is going back 20 years. There is still time to negotiate. We have a complex scenario,” she showed, pointing to charts with data from the past 20 years.

More information about the CTS can be accessed at the Ipea website (www.ipea.gov.br/cts).

Source: Agência Brasil

Ipea lança centro de pesquisa em ciência e tecnologia

Objetivo é estudar impactos da produção científica na economia

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) lançou, no início deste mês, o Centro de Pesquisa em Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS). O novo núcleo reúne pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento para estudar os impactos que a ciência e a tecnologia têm na economia, na sociedade e na qualidade de vida das pessoas, especialmente nas áreas de saúde, educação e sustentabilidade.

“É vital, nos dias de hoje, quando a ciência está sendo questionada, a gente discutir a importância que a produção científica e tecnológica tem para o desenvolvimento do Brasil e como amplificar esses impactos positivos sobre o desenvolvimento, o crescimento econômico e a geração de renda”, disse a pesquisadora Fernanda De Negri, coordenadora do CTS.

Para o diretor de Estudos, Infraestrutura e Inovação do Ipea, André Rauen, o novo núcleo vai beneficiar o trânsito da informação dentro do instituto, ao integrar várias áreas que antes atuavam de forma independente umas das outras.

“Pela primeira vez a gente vai conseguir trabalhar interestruturas, transversalmente. Vamos sair das caixinhas e vamos trabalhar em função do objeto; vamos estimular que os pesquisadores trabalhem em função da transformação da sociedade, voltados para problemas concretos. Não existe país no mundo que tenha feito o desenvolvimento tecnológico sem o apoio do Estado. Pesquisa e desenvolvimento, mesmo privado, depende de apoio público, que tem de ser complementar. Isso ocorre na Inglaterra, nos Estados Unidos, na Alemanha e na China”, disse Rauen.

A pesquisadora do CTS Priscila Koeller apresentou, durante o lançamento do novo centro, um estudo mostrando que os investimentos em ciência e tecnologia vêm caindo nos últimos anos podendo chegar a níveis dos anos 2000, se o governo não desbloquear as verbas para o setor este ano.

“Se a gente não conseguir reverter as reservas de contingência, a estimativa é ficar em níveis abaixo ao ano 2000. É retroceder 20 anos. Ainda há tempo de negociar. Temos um cenário complexo”, mostrou ela, apontando gráficos com dados dos últimos 20 anos.

Mais informações sobre o CTS podem ser acessadas na página do Ipea na internet (www.ipea.gov.br/cts).

Fonte: Agência Brasil