Photo: Pixabay

The number of Industry 4.0 technology patent applications in Brazil has increased over the past decade, according to a survey by the National Confederation of Industry (CNI).

In 2008, Brazil filed 1,202 patent applications for inventions related to Industry 4.0 technologies, which represents 5% of the total 23,170 applications placed that year. In 2017, there were 14,634 patents related to the Industry 4.0, which represents 57% of the total of 25,658 patent filings in that year.

For CNI’s Industrial Policy Executive Manager, João Emílio Gonçalves, the growth in the number of patent applications related to Industry 4.0 reflects a worldwide trend. “To become leaders in this technology race, companies are increasingly investing in research and development of industry-enabling technologies 4.0,” he said. He considers that Brazil needs to accelerate the process of implementation of the sector’s technologies.

In the CNI survey, the technologies of this industry were divided into three groups: core technologies, enablers and application sectors. Adding the three groups, 35,196 patents were filed in Brazil in 10 years. The confederation shows that orders increased significantly over the last three years of the review period: almost 75% were placed between 2015 and 2017.

Core technologies allow you to turn a product into a smart device connected to the internet. They include hardware, software, and connectivity technologies. Enabling technologies are those that are built in a complementary way to the switchboards, including innovations related to data analysis, user interface, 3D computing, artificial intelligence, location systems, power systems and security systems.

In the third group of applications are technologies intended for end users and include, for example, personal items such as health or entertainment monitoring, and home innovations such as intelligent alarm, lighting and heating systems. In industry, these are digital technologies that enable increased productivity and more efficient production, CNI explained.

“In addition to the development of Industry 4.0 technologies, we have the challenge in Brazil of adopting them quickly, in order to reduce the difference in productivity between Brazil and its main international competitors,” added Gonçalves.

Source: Agência Brasil

CNI: aumentam pedidos de patentes de tecnologias da Indústria 4.0

O número de pedidos de patentes de tecnologias da Indústria 4.0 no Brasil tem aumentado ao longo da última década, de acordo com levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Em 2008, o Brasil registrou 1.202 depósitos de patentes de invenções relacionadas às tecnologias da Indústria 4.0, o que representa 5% do total de 23.170 pedidos feitos naquele ano. Já em 2017, o Brasil depositou 14.634 patentes relacionadas à Indústria 4.0, o que representa 57% do total de 25.658 depósitos no ano.

Para o gerente executivo de Política Industrial da CNI, João Emílio Gonçalves, o crescimento no número de pedidos de patentes relacionadas à Indústria 4.0 reflete uma tendência mundial. “Para se tornarem líderes nessa corrida tecnológica, as empresas têm investido cada vez mais em pesquisa e desenvolvimento de tecnologias habilitadoras da indústria 4.0”, disse. Ele considera que o Brasil precisa acelerar o processo de implementação das tecnologias do setor.

No levantamento da CNI, as tecnologias dessa indústria foram divididas em três grupos: tecnologias centrais, habilitadoras e setores de aplicação. Somando os três grupos, foram depositadas 35.196 patentes no Brasil em 10 anos. A confederação mostra que os pedidos aumentaram de forma significativa nos últimos três anos do período analisado: quase 75% foram feitos entre 2015 e 2017.

As tecnologias centrais permitem transformar um produto em dispositivo inteligente conectado à internet. Elas incluem as tecnologias de hardware, de software e de conectividade. Já as tecnologias habilitadoras são aquelas construídas de forma complementar às centrais, incluindo inovações relacionadas à análise de dados, interface com o usuário, computação 3D, inteligência artificial, sistemas de localização, sistemas de energia e sistemas de segurança.

No terceiro grupo, de aplicação, estão as tecnologias destinadas aos usuários finais e incluem, por exemplo, artigos pessoais, como de monitoramento de saúde ou de entretenimento, e inovações para as residências, como sistemas de alarme, iluminação e aquecimento inteligentes. Na indústria, são tecnologias digitais que permitem aumento da produtividade e uma produção mais eficiente, explicou a CNI.

“Além do desenvolvimento de tecnologias da Indústria 4.0, temos no Brasil o desafio de adotá-las com rapidez, a fim de reduzirmos a diferença de produtividade existente entre o Brasil e seus principais competidores internacionais”, acrescentou Gonçalves.

Fonte: Agência Brasil