Photo: Pxhere

The Netherlands is one of the countries in Europe with the largest share of inhabitants who are proficient in using the internet, computers and software (digital skills). In 2019, half of the Dutch population aged 16 to 74 years had ‘above basic’ overall digital skills, versus an average 33 percent in the European Union. This is the outcome of research conducted recently by Statistics Netherlands (CBS) and other EU member states.

Together with Finland, Denmark and the United Kingdom, the Netherlands ranks among the best-performing countries with the highest percentage of inhabitants who have above basic overall digital skills. This share is lowest in Eastern European countries such as Romania and Bulgaria (10 and 11 percent respectively). Italy, Greece and Poland, too, have much lower scores (around 20 percent) than the EU average in this respect.

The level of digital proficiency is increasing among the Dutch population aged 16 and 75 years. In 2015, the share of people with above basic digital skills was still only 43 percent. The digital competences of Dutch people have always been higher than the EU average.

Highest level in area of ‘information’, lowest level in ‘software’

Whether a person has digital skills is determined on the basis of his or her performance in four areas. These are information, communication, problem solving skills (computers/online services) and software. In the area of information, the share of Dutch people with above basic digital skills in 2019 was larger (89 percent) than in the other areas. Examples include looking up information on the internet, transferring files and saving photos in the cloud. The EU average stood at 71 percent in this area.

Above basic skills were also shown in the areas of ‘communication’ (e.g. sending emails, making internet phone calls and using social networks) and ‘computers/online services’ (e.g. online shopping, installing apps and taking online courses): 83 and 81 percent respectively. The EU average was 67 percent for ‘communication’ and 59 percent for ‘computers/online services’.

The area of ‘software’ is somewhat more complicated to many Dutch and other European people. In this area, 55 percent of the Dutch population had above basic skills, with the EU average at 41 percent. This subarea includes the use of office software such as word processing applications and spreadsheets. Writing computer programs in a programming language is included as well.

Nearly eight in ten young people have above basic overall digital skills

People’s internet and computer competences vary greatly by age and education. For example, the share of Dutch people exceeding basic overall skills is four times higher among young than among older people. In the group aged 16 to 24 years, 78 percent had above basic overall digital competences. Among the elderly (aged 65 to 74), this share was 18 percent.

Among the highly educated, 68 percent possessed digital skills exceeding the basic level. This is more than double the share among those with a low education level (30 percent).

The digital skills gap is smaller between men and women. The share of men with above basic skills amounted to 54 percent, against 45 percent among women.

Source: Statistics Netherlands

A Holanda está entre os melhores da UE em habilidades digitais

A Holanda é um dos países da Europa com a maior parcela de habitantes com proficiência no uso da Internet, computadores e software (habilidades digitais). Em 2019, metade da população holandesa de 16 a 74 anos possuía habilidades digitais globais “acima do básico”, contra uma média de 33% na União Europeia. Este é o resultado de uma pesquisa recentemente conduzida pela Statistics Netherlands (CBS) e outros estados membros da UE.

Juntamente com a Finlândia, a Dinamarca e o Reino Unido, a Holanda está entre os países com melhor desempenho, com a maior porcentagem de habitantes que possuem habilidades digitais gerais básicas. Essa participação é menor nos países da Europa Oriental, como Romênia e Bulgária (10 e 11%, respectivamente). Itália, Grécia e Polônia também têm pontuações muito mais baixas (cerca de 20%) do que a média da UE a esse respeito.

O nível de proficiência digital está aumentando entre a população holandesa de 16 e 75 anos. Em 2015, a proporção de pessoas com habilidades digitais acima do básico ainda era de apenas 43%. As competências digitais dos holandeses sempre foram superiores à média da UE.

Nível mais alto na área de ‘informações’, nível mais baixo em ‘software’

Se uma pessoa possui habilidades digitais, isso é determinado com base em seu desempenho em quatro áreas. São elas: informações, comunicação, habilidades para resolução de problemas (computadores / serviços on-line) e software. Na área de informação, a parcela de holandeses com habilidades digitais acima do básico em 2019 foi maior (89%) do que nas outras áreas. Os exemplos incluem procurar informações na internet, transferir arquivos e salvar fotos na nuvem. A média da UE ficou em 71% nessa área.

As habilidades básicas acima também foram mostradas nas áreas de ‘comunicação’ (por exemplo, enviar e-mails, fazer chamadas telefônicas pela Internet e usar redes sociais) e ‘computadores / serviços online’ (por exemplo, compras on-line, instalar aplicativos e participar de cursos on-line): 83 e 81 por cento, respectivamente. A média da UE foi de 67% para “comunicação” e 59% para “computadores / serviços online”.

A área de ‘software’ é um pouco mais complicada para muitos holandeses e outros europeus. Nesta área, 55% da população holandesa tinha habilidades acima do básico, com a média da UE em 41%. Essa subárea inclui o uso de software de escritório, como aplicativos de processamento de texto e planilhas. A gravação de programas de computador em uma linguagem de programação também está incluída.

Quase oito em cada dez jovens têm habilidades digitais gerais acima do básico

As competências das pessoas na Internet e no computador variam muito de acordo com a idade e a escolaridade. Por exemplo, a parcela de holandeses que excede as habilidades gerais básicas é quatro vezes maior entre jovens do que entre idosos. No grupo de 16 a 24 anos, 78% possuíam acima de competências digitais gerais básicas. Entre os idosos (65 a 74 anos), essa participação foi de 18%.

Entre os altamente qualificados, 68% possuíam habilidades digitais que excediam o nível básico. Isso é mais do que o dobro da parcela entre aqueles com baixa escolaridade (30%).

A lacuna de habilidades digitais é menor entre homens e mulheres. A proporção de homens com habilidades acima da base atingiu 54%, contra 45% entre as mulheres.

Fonte: Statistics Netherlands