Photo: Wikimedia Commons

We are currently in the midst of a crisis, with government borrowing hitting historic highs in an effort to support the economy. This follows on from a historically rare occurrence of an altogether different kind, namely successive years of budget surpluses. These surpluses reached their peak in 2019, when revenue exceeded spending by 14 billion euros. Thanks to that surplus, the national debt fell in 2019 to 48.6% of gross domestic product.

These figures are contained in the central government annual financial report and the annual reports of the individual ministries, which finance minister Wopke Hoekstra sent to the House of Representatives yesterday (20) – on Accountability Day.

In these annual reports the government reviews revenue and expenditure in 2019 and sheds light on the various ministries’ spending. In its response to the annual reports, the Court of Audit indicates whether the money went where it was intended to go, and what can be improved.

‘In the knowledge that many self-employed people, employees and business owners are striving with all the ingenuity they can muster to keep their heads above water at this time, we can look back at 2019 as a year of great prosperity,’

said Mr Hoekstra.

‘Many people found jobs, teachers were awarded further pay rises, taxes were reduced and a lot of money was invested in security and the climate.’ 

Rates of pay under collective labour agreements went up by 2.5% in 2019 compared with 2018, but inflation, at 2.6%, rose slightly more. Purchasing power grew by around 1% on balance, partly due to a reduction in taxation and social insurance contributions. A record number of people were in work in 2019. There was scope both to reduce the national debt and to invest further and cut taxes.

Last year the government set aside extra money to bring down nitrogen emissions and for climate measures, education and security. At the same time, it received less money due to the accelerated phasing out of natural gas extraction in the province of Groningen. As in previous years, not all the money that was allocated was actually spent. This is due, among other things, to the government’s ambitious investment plans, combined with favourable economic conditions and a tight labour market. The underspend for 2019 amounted to 1.8 billion euros. Most of this money will remain available for future years.

Source: Government of the Netherlands

Holanda: 2019: superávit, investimentos e impostos mais baixos

Atualmente, estamos em meio a uma crise, com os empréstimos do governo atingindo máximos históricos em um esforço para oferecer suporte à economia. Isto segue uma ocorrência historicamente rara de um tipo completamente diferente, ou seja, anos sucessivos de superávits orçamentários. Esses superávits atingiram seu pico em 2019, quando a receita excedeu os gastos em 14 bilhões de euros. Graças a esse superávit, a dívida nacional caiu para 48,6% do PIB em 2019.

Esses números estão contidos no relatório financeiro anual do governo e nos relatórios anuais dos ministérios individuais, que o ministro das Finanças Wopke Hoekstra enviou ontem à Câmara dos Deputados (20) – no dia de prestação de contas.

Nestes relatórios anuais, o governo analisa as receitas e despesas em 2019 e lança luz sobre os gastos dos vários ministérios. Na sua resposta aos relatórios anuais, o Tribunal de Contas indica se o dinheiro foi para onde deveria ir e o que pode ser melhorado.

SABENDO QUE MUITAS PESSOAS, FUNCIONÁRIOS E PROPRIETÁRIOS DE EMPRESAS ESTÃO UTILIZANDO TODA A SUA SABEDORIA E CRIATIVIDADE PARA SOBREVIVER NESTE MOMENTO, PODEMOS OLHAR PARA 2019 COMO UM ANO DE GRANDE PROSPERIDADE ”

disse o Sr. Hoekstra.

“MUITAS PESSOAS ENCONTRARAM EMPREGOS, OS PROFESSORES RECEBERAM AUMENTOS SALARIAIS, OS IMPOSTOS FORAM REDUZIDOS E MUITO DINHEIRO FOI INVESTIDO EM SEGURANÇA E NO CLIMA.”

As taxas de remuneração nos acordos coletivos de trabalho aumentaram 2,5% em 2019 em comparação com 2018, mas a inflação, em 2,6%, aumentou um pouco mais. O poder de compra cresceu cerca de 1%, em parte devido a uma redução na tributação e nas contribuições para a previdência social. Um número recorde de pessoas trabalhava em 2019. Havia espaço para reduzir a dívida nacional e investir mais e cortar impostos.

No ano passado, o governo reservou dinheiro extra para reduzir as emissões de nitrogênio e para medidas climáticas, educação e segurança. Ao mesmo tempo, recebeu menos dinheiro devido à descontinuação acelerada da extração de gás natural na província de Groningen. Como nos anos anteriores, nem todo o dinheiro alocado foi realmente gasto. Isso se deve, entre outras coisas, aos ambiciosos planos de investimento do governo, combinados com condições econômicas favoráveis ​​e um mercado de trabalho restrito. O valor economizado pelo governo em 2019 foi 1,8 bilhões de euros. A maior parte desse dinheiro permanecerá disponível para os próximos anos.

Fonte: Governo dos Países Baixos