Photo: Wikimedia Commons/(CC BY 2.5)

The impact of the new coronavirus pandemic caused Brazilian economic activity to contract by 7% in April, estimates the Brazilian Institute of Economics of the Getulio Vargas Foundation (Ibre/FGV), which released the first preview of the Economic Activity Index (IAE). The record drop in the historical series is in relation to the results of March, the month that had already suffered less intensely the reflexes of the economic paralysis, with a decrease of 4.6% compared to February.

In relation to April 2019, the economy retracted by 10.9%, which is also a record. If the February/March/April quarter is considered, there was a 5% decrease compared to the three months ended in January. When compared to the same period in 2019, the quarter ended in April decreased by 3.7%.

The negative results were disseminated in the industrial and service activities, which had the biggest year-on-year declines since the beginning of the measurement, in 2000. The manufacturing industry, commerce and transport were some of the sectors that had their worst monthly results in April.

Source: Agência Brasil

Brasil: Atividade econômica caiu 7% em abril, estima FGV

O impacto da pandemia do novo coronavírus fez com que a atividade econômica brasileira tivesse uma retração de 7% em abril, estima o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), que divulgou a primeira prévia do Índice de Atividade Econômica (IAE). A queda recorde na série histórica é em relação ao resultado de março, mês que já havia sofrido de forma menos intensa os reflexos da paralisação econômica, com um recuo de 4,6% ante fevereiro.

Em relação a abril de 2019, a economia teve uma retração de 10,9%, que também é recorde. Se considerado o trimestre fevereiro/março/abril, houve uma queda de 5% em relação aos três meses encerrados em janeiro. Quando comparado ao mesmo período de 2019, o trimestre encerrado em abril teve um recuo de 3,7%.

Os resultados negativos foram disseminados nas atividades industriais e de serviços, que tiveram as maiores quedas interanuais desde o início da medição, em 2000. A indústria da transformação, o comércio e os transportes foram alguns dos setores que tiveram em abril seus piores resultados mensais.

Fonte: Agência Brasil