Photo: Pikrepo

The Brazilian external balance was positive in October for the third consecutive month, informed yesterday (25) the Central Bank (BC), in Brasilia. The current balance surplus, including purchases and sales of goods and services and income transfers from Brazil to other countries, reached US$ 1.473 billion, the first positive balance in the month since 2006 (US$ 1.494 billion).

In October 2019, there was an account deficit of $ 8.052 billion.

This year, the external accounts had a positive monthly balance in six months: April, May, June, August, September and October.

From January to October, the transactions had a deficit of US$ 7.588 billion against the negative balance of US$ 42.938 billion in the same period of 2019.

In the 12 months ended in October, the deficit reached US$ 15.3 billion (1.04% of the GDP), compared to US $ 24.9 billion (1.64% of the GDP) until September this year.

Trade balance

In October, exports of goods totaled US$ 17.958 billion and imports, US$ 13.144 billion, resulting in a trade surplus of US$ 4.814 billion, against US$ 1.803 billion in the same month last year.

From January to October, the trade surplus reached US$ 41.540 billion, compared to US$ 32.496 billion in the same period in 2019.

Services

The deficit in the services account (international travel, transportation and equipment rental, among others) reached US$ 1.637 billion in October, compared to US$ 3.653 billion in the same period in 2019.

In the ten months of the year, the negative balance reached US$ 17.045 billion, a result lower than that registered from January to October 2019, of US$ 29.246 billion.

International travel

The result of international travel – which is part of the services balance – was negative by US$ 103 million, against US$ 1.044 billion in October 2019.

The balance of international travel is comprised of foreign income in Brazil, in the amount of US$ 181 million, and Brazilian spending abroad, of US$ 284 million. From January to October, expenses exceeded revenues by US$ 2.132 billion, against the also negative balance of US$ 9.845 billion in the same period of 2019.

International travel has been affected by entry and exit restrictions in several countries and by social isolation measures, necessary to face the covid-19 pandemic, and by the rise in the dollar.

Income

In October, the deficit in primary income (profits and dividends, interest payments and salaries) reached US$ 1.859 billion against US$ 6.331 billion in the same period in 2019. From January to October, the negative balance was US$ 34.096 billion , compared to US$ 47.295 billion in the same period last year.

The secondary income account (generated in one economy and distributed to another, such as donations and remittances of dollars, with no counterpart for services or goods) had a positive result of US$ 154 million against US$ 129 million in October 2019. In the first ten months of the year, the positive result reached US$ 2.013 billion compared to US$ 1.106 billion in the same period of 2019.

Investments

Net inflows in direct investment in the country totaled $ 1.793 billion last month, compared to $ 8.221 billion in October 2019.

From January to October, it reached US$ 31.914 billion, compared to US$ 57.615 billion in the ten months of 2019. In the 12 months ended in October 2020, IDP totaled US$ 43.5 billion, corresponding to 2.94% of GDP, compared to US$ 49.9 billion (3.29% of GDP) accumulated in 12 months in the previous month.

In October, portfolio investments in the domestic market totaled net inflows (minus outflows) of US$ 5.471 billion, of which US$ 2.671 billion in debt securities and US$ 2.799 billion in shares and investment funds.

In the ten months of 2020, there were net outflows of US$ 21.603 billion against the negative result of US$ 872 million, in a same period last year.

Source: Agência Brasil

Brasil: Contas externas têm saldo positivo de US$ 1,47 bilhão

As contas externas registraram saldo positivo em outubro pelo terceiro mês seguido, informou ontem (25), em Brasília, o Banco Central (BC). O superávit em transações correntes, que são as compras e vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda do Brasil com outros países, chegou a US$ 1,473 bilhão, o primeiro saldo positivo no mês desde 2006 (US$ 1,494 bilhão).

Em outubro de 2019, houve déficit em transações correntes de US$ 8,052 bilhões.

Neste ano, as contas externas tiveram saldo positivo mensal em seis meses: abril, maio, junho, agosto, setembro e outubro.

De janeiro a outubro, as transações correntes tiveram déficit de US$ 7,588 bilhões contra o saldo negativo de US$ 42,938 bilhões em igual período de 2019.

Em 12 meses encerrados em outubro, o déficit chegou a US$ 15,3 bilhões (1,04% do Produto Interno Bruto – PIB -, a soma de todos os bens e serviços produzidos no país), ante US$ 24,9 bilhões (1,64% do PIB) até setembro deste ano.

Balança comercial

Em outubro, as exportações de bens somaram US$ 17,958 bilhões e as importações, US$ 13,144 bilhões, resultando no superávit comercial de US$ 4,814 bilhões, contra US$ 1,803 bilhão no mesmo mês do ano passado. 

De janeiro a outubro, o superávit comercial chegou a US$ 41,540 bilhões, ante US$ 32,496 bilhões do mesmo período de 2019.

Serviços

O déficit na conta de serviços (viagens internacionais, transporte e aluguel de equipamentos, entre outros) atingiu US$ 1,637 bilhão em outubro, ante US$ 3,653 bilhões em igual período de 2019. 

Nos dez meses do ano, o saldo negativo chegou a US$ 17,045 bilhões, resultado menor que o registrado de janeiro a outubro de 2019, de US$ 29,246 bilhões.

Viagens internacionais

O resultado das viagens internacionais – que fazem parte da conta de serviços – ficou negativo em US$ 103 milhões, contra US$ 1,044 bilhão em outubro de 2019.

O saldo de viagens internacionais é formado pelas receitas de estrangeiros no Brasil, no valor de US$ 181 milhões, e os gastos de brasileiros no exterior, de US$ 284 milhões. De janeiro a outubro, as despesas superaram as receitas em US$ 2,132 bilhões, contra o saldo também negativo de US$ 9,845 bilhões em igual período de 2019.

As viagens internacionais têm sido afetadas pelas restrições de entrada e saída em vários países e pelas medidas de isolamento social, necessárias para o enfrentamento da pandemia da covid-19, e pela alta do dólar.

Rendas

Em outubro, o déficit em renda primária (lucros e dividendos, pagamentos de juros e salários) chegou a US$ 1,859 bilhão contra US$ 6,331 bilhões no mesmo período de 2019. De janeiro a outubro, o saldo negativo ficou em US$ 34,096 bilhões, ante US$ 47,295 bilhões em igual período do ano passado.

A conta de renda secundária (gerada em uma economia e distribuída para outra, como doações e remessas de dólares, sem contrapartida de serviços ou bens) teve resultado positivo de US$ 154 milhões contra US$ 129 milhões em outubro de 2019. Nos dez primeiros meses do ano, o resultado positivo chegou a US$ 2,013 bilhões ante US$ 1,106 bilhão em igual período de 2019.

Investimentos

Os ingressos líquidos em investimentos diretos no país (IDP) somaram US$ 1,793 bilhão no mês passado, ante US$ 8,221 bilhões em outubro de 2019.

De janeiro a outubro, o IDP chegou a US$ 31,914 bilhões, ante US$ 57,615 bilhões nos dez meses de 2019. Nos 12 meses encerrados em outubro de 2020, o IDP totalizou US$ 43,5 bilhões, correspondendo a 2,94% do PIB, em comparação a US$ 49,9 bilhões (3,29% do PIB) acumulados em 12 meses no mês anterior.

Em outubro, os investimentos em carteira no mercado doméstico totalizaram ingressos líquidos (descontadas as saídas) de US$ 5,471 bilhões, dos quais US$ 2,671 bilhões em títulos de dívida e US$ 2,799 bilhões em ações e fundos de investimento.

Nos dez meses de 2020, houve saídas líquidas de US$ 21,603 bilhões contra o resultado também negativo de US$ 872 milhões, em período similar do ano passado.

Fonte: Agência Brasil